terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

...

Às vezes sou precisa como bússola.
Em outras, me perco na vastidão de mim.
Às vezes sou asas imensas.
Em outras, sou chão, raízes firmes.
Às vezes sou âncora segura.
Em outras, um barco a deriva.
Às vezes sou olhar calmo e sereno.
Em outras, todo o espanto nos olhos.
Às vezes vou ao limite, sou ponto final.
Em outras, um mundo de reticências.
Em outras, o sentir da saudade.
Às vezes, a calmaria de águas plácidas.
Em outras, a ferocidade do mar revolto.
Às vezes, sou cores vibrantes.
Em outras, uma soturna palidez.
Às vezes, sou música contagiante.
Em outras, abissal silencio se faz.
Às vezes, sou inteira.
Em outras, sou fragmentos.
Hoje…

4 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Olá amiga, bela imagem...Faz do dia de hoje o melhor dia da tua vida....
Beijos

Teresa Durães disse...

Não é fácil o equilibro diário. Não é fácil sermos o que desejamos ser. Principalmente para algumas pessoas.Eu sou uma delas

Alien8 disse...

Hoje escreveste um belo poema :)

antonio - o implume disse...

Os fragmentos são eternos. Quando muito multiplicam-se... o ser-se inteiro é um equilíbrio difícil.