quarta-feira, 24 de dezembro de 2008


Hoje, de algum lugar
longe destas terras,
um olhar especial de alguém especial
de distantes origens.

Um olhar de um justo coração
que pulsa só a vida
que sorri porque ama plenamente
sem julgos, sem conceitos,
sem prisões.
Hoje, como ontem
longe destes céus
há um encantado olhar só para você.

Nesse olhar, nesse fitar,
vai para você a magia da luz
a simplicidade do perdão
a força para comungar a vida.

E a esperança
de dias mais radiantes de paz.
Hoje, de algum lugar dentro de você,
alguém que já o amou muito
e ainda o ama
diz para você que valeu a pena
ter estado nestas terras
sob estes céus
falando de união, paz, amor e perdão.

Só para você saber
que hoje é Natal.

E poder sentir a força
que faz você sorrir.

E continuar o caminho que,
um dia,
aquele doce olhar iniciou para você!

Feliz Natal 2008, um 2009 de Realizações!

domingo, 7 de dezembro de 2008

Hoje...

Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.
Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e agüentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.
Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.
Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.
Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou.
Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que "normalidade" é uma ilusão imbecil e estéril.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

...

O pensamento é triste; o amor, insuficiente;
e eu quero sempre mais do que vem nos milagres.
Deixo que a terra me sustente:
guardo o resto para mais tarde.




Deus não fala comigo - e eu sei que me conhece.
A antigos ventos dei as lágrimas que tinha.
A estrela sobe, a estrela desce...
- espero a minha própria vinda.

Navego pela memória
sem margens.

Alguém conta a minha história
E alguém mata os personagens.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

...

Entre Amigos
1.
É belo guardar silêncio juntos...
Ainda mais belo sorrir juntos...
Sob a tenda do céu de seda...
Encostado ao musgo da faia...
Dar boas risadas com os amigos...
Os dentes brancos mostrando.

Se fiz bem, vamos manter silêncio.
Se fiz mal... vamos rir então.
E fazer sempre pior,
Fazendo pior, rindo mais alto
Até descermos à cova.

Amigos! assim dever ser?...
Amém! E até mais ver!

2.
Sem desculpas! Sem perdão!
Vocês contentes, de coração livre,
Queiram dar, a estas escritas irrazoáveis,
Ouvido, coração e abrigo!
Creiam, amigos, a minha desrazão...
Não foi para mim uma maldição!

O que eu acho, o que eu busco...
Já se encontrou em algum escrito?
Queiram honrar em mim os tolos!
E aprender, com esta escrita insana,
Como a razão chegou... "à razão"!

Então, amigos, assim dever ser?...
Amém! E até mais ver!

Nietzsche

Certas pessoas aparecem em minha vida de repente...
De repente é só a chegada, pois é permanente a sua existência em mim...
Umas ficam para sempre...
Embora algumas delas prefiram não estar tão presentes... "Normal"..
Será que meu jardim está suficientemente regado e florido, para que eu consiga atrair essas borboletas para perto de mim e fazê-las, de alguma forma, felizes??
Espero que sim...em algum momento...

Nada melhor simbolizar com esta música linda do Radiohead..




Thinking About You

Been thinking about you,
Your records are here,
Your eyes are on my wall, your teeth are over there.
And I’m still no one, and you're my star,
What do you care?

Been thinking about you,
But there’s no rest,
Should I still love you, still see you in bed.
But I’m playing with myself, what do you care?
When the other men are far, far better.

And all the things you’ve got,
All the things you’ll need.
Who bought you cigarettes?
Who bribed the company to come and see you honey?

I’ve been thing about you,
And there’s no rest,
Should I still love you, still see you in bed?
But I’m playing with myself, what do you care?
When the other men are far, far better.

Been thinking about you,
Your records are here,
Your eyes are on my wall, your teeth are over there,
But I’m still no one, and your my star,
What do you care?

And all the things you’ve got,
All the things you’ll need,
Who bought you cigarettes?
Who bribed the company to come and see you....play...

Been thinking about you...

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

...

Um dia alguém me perguntou como era viver e crescer...aí eu respondi:
é encarar todos os desafios de frente, se bem que quando jovens tememos não conseguir enfrentá-los, mas no decorrer da vida descobrimos que o maior desafio é enfrentarmos nós mesmos, com todos nossos medos e receios... então este alguém cresce e vive cada dia que passa dando o melhor de si e eu estou muito feliz por saber que este alguém foi, é... e sempre será minha melhor amiga.

Eu te amo minha filha,

obrigada por existires!

Que Deus Te Abençoe Sempre...

terça-feira, 11 de novembro de 2008

...

Não me olhes, não me tentes perceber
Não me ligues, deixa-me apenas passar
Não me toques, e não me farás sofrer
Não me ames, mas continua-me para sempre a amar

Não repares sequer em mim
O teu olhar deixa-me perdida
Deixa-me queimada assim
Deixa-me matar a minha vida

Vê-me apenas como uma ilusão
Que não existe nem nunca existirá
Acaba com o meu doente coração
e nunca mais por ti baterá

Nega-me tudo o que queres negar
Inclusive o amor que não me pertence
Faz-me esquecer que te queria amar
Rouba de mim aquela memória sorridente

Depois: Evita-me
ou simplesmente continuar a evitar
em ultimo caso: odeia-me
E proíbe-me de te continuar a amar

Apenas porque já não consigo
O meu coração esta destroçado
Nada fazes, nada queres, nada posso querer contigo
Tudo foi, nada é, tudo está apagado

Evita o meu amor
Esmaga o meu coração
Renuncia a minha dor
e vive sem a minha mão

Evita se assim quiseres
Mas não me faças viver na mentira!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

...

Se soubesse dizer-te do que vejo no lado de dentro
das palavras, quando tropeço numa ideia ou numa sílaba ou num gato preto agasalhado pelo sol vadio dos meus olhos?;

Se soubesse falar-te sem derivas da teia que me prende ao abandono nestes
dias apressados do Outono?;

Se soubesse calar-te a minha dor estrangulada pelos passos impossíveis, mal me adentro a pensar no amanhã
(quando esse amanhã pode fugir-me, e sem deixar aviso ou recado?);

se soubesse dizer-te desta dúvida que me rói no agudo descompasso entre o dentro e o fora a que me abraço?;


Soubesse eu... e terias certamente um poema sem palavras, simplesmente.

domingo, 2 de novembro de 2008

Sei que na minha caminhada existe um destino
e uma direcção, por isso devo medir os meus passos, prestar atenção no que faço e no que fazem os que por mim também passam ou pelos quais passo eu...

Que eu não me iluda com o ânimo e o vigor dos primeiros trechos, porque chegará o dia em que os pés não terão tanta força
e se ferirão no caminho e se cansarão mais cedo...


Todavia, quando o cansaço houver, que eu não desespere e acredite que ainda terei forças para continuar,principalmente quando houver quem me auxilie...

É oportuno que, nos meus sorrisos, eu me lembre de que existem os que choram, que, assim, para que o meu riso não ofenda a mágoa dos que sofrem:

Por outro lado, quando chegar a minha vez de chorar, que eu não me deixe dominar pela desesperança, mas que entenda o sentido do sofrimento,
que me nivela, que me iguala, que torna todos os homens iguais...


Quando eu tiver tudo, farnel e coragem, água no cantil, e ânimo no coração, botas nos pés e chapéu na cabeça, não temendo o vento e o frio, a chuva e o tempo, que eu não me considere melhor do que aqueles que ficaram atrás, porque pode vir o dia em que nada terei para minha jornada e aqueles, que ultrapassei na caminhada, me alcançarão e também poderão fazer como eu fiz e nada fazer por mim.

Quando o dia brilhar, que eu tenha vontade de ver a noite em que a caminhada será mais fácil e mais amena.

Quando for noite, porém ,e a escuridão tornar mais difícil a chegada,que saiba esperar o dia como aurora, o calor como bênção...

Que perceba que a caminhada sozinho pode ser mais rápida, mas muito mais vazia...

Quando eu tiver sede,que encontre a fonte no caminho,quando eu me perder, que ache a indicação, a seta, a direcção...
Que eu não siga os que desviam, mas que ninguém se desvie seguindo os meus passos...

Que a pressa em chegar não me afaste da alegria de ver as flores simples que estão à beira da estrada, Que eu não pertube a caminhada de ninguém, Que eu entenda que seguir faz bem, mas que, às vezes,é preciso ter-se a bravura de voltar atrás e recomeçar e tomar outra direcção...

Que eu não caminhe sem rumo, que não me perca nas encruzilhadas, mas que não tema os que assaltam, os que enganam, mas que vá onde devo ir e, se sair no meio do caminho,que fique a lembrança de minha queda para impedir que outros caiam no mesmo abismo...

Que chegue, sim, mas, ainda mais importante….

Que eu faça chegar quem me perguntar,quem me pedir conselho…

e acima de tudo, quem me seguir, confiando em mim!

sábado, 1 de novembro de 2008

...


Tell me you love me
Tell me that you're mine again
Tell me you won't turn away
Turn like the seasons
Turn back to me once again
Circling all the way

terça-feira, 28 de outubro de 2008

...

O medo parou na sua frente..
Ela, estática, entorpecida pela sua repugnância(nesse caso, a do medo), ali ficou, reticente...
Pensou em recuar, em fugir...
Seria, certamente, a melhor opção..
Mas algo lá dentro dela gritou..
Não tenha medo, não desista...
Siga, siga em frente..
Sempre vá na direcção em que seu medo aumenta.
E ela seguiu.......

sábado, 11 de outubro de 2008

...

La Valse Hésitation, 1950

Dá-me alegria...
Incendeia meu sangue arrefecido!
E depois meu amor...
Depois... deixa-me sonhar...

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

sábado, 4 de outubro de 2008

Mensagem de amor: O olhar do coração!

É bem verdade que o amor tem várias fases e constrói-se com dedicação e tempo de convivência altruísta.

Quando dizemos a alguém, olhos nos olhos - "eu amo-te" - pode ainda não ser aquele amor na fase intensa e completa mas pode ser naquela em que se descobre que, afinal, levou-se tempo demais para soltar o que o coração insiste em dizer.

Há a fase que tanto o coração como a mente não param de gritar que é tão bom quando duas pessoas encontram as palavras apenas numa troca de olhares... Eu digo-vos que é: O olhar do coração!

E eu sinto essa voz que me diz: Eu amo-te!


quarta-feira, 1 de outubro de 2008

...

Sou escrava do amor,
deito-me com o meu pecado,
que cresce em mim deixando marcas profundas...

Sou escrava da dor,
levanto-me com a culpa,
que vive em mim cravando suspiros gelados...

Sou escrava do tempo,
vivo contando cada hora,
deixando o dia afastar-se sem apreciá-lo...

Sou escrava da luz,
sonho com o brilho de um olhar,
para que me leve para novo caminho...

Sou escrava da minha alma,
que ri... chora... grita... ama...
alma que vive... desespera... canta...
foge... acalma... sofre...

Sou escrava desta alma,
que apoderou-se deste corpo imundo,
que consome muito mais do que aquilo que pode...!
Sou escrava duma alma,
que peca...
peca divinalmente entre a madrugada...!


Sou escrava desta alma,
que me carrega aos ombros para
o mundo que fui adoptada...!

Sou escrava de mim...
sou escrava do que vivi...
sou escrava de ti...
sou escrava deste amor que habita em mim...!

domingo, 28 de setembro de 2008

Hoje...


Trocamos olhares
como se trocam poemas
e os poemas entrelaçam-se
como se cruzam os olhares,
como se sentem os dedos
nos dedos,
como se sentem os lábios
nos lábios e o suor...
e o sangue
e até as lágrimas
que, furtivas, nos lambem,
ardendo-nos na face,
por as querermos esconder...

domingo, 21 de setembro de 2008

Sonhei que podia,
que mergulhava e voltava
limpa, linda, coberta de espuma
branca, radiosa e macia.
Sonhei que sabia,
caminhar sem me afogar,
sim eu podia,
amansar a fúria do mar,
deliciar-me na maresia.
Sonhei que nunca hesitaria,
que sempre confiaria.
Que a solidão do mar
não me contaminaria,
que as ondas revoltas
eu amansaria.
Sonhei que podia!
Saberei eu caminhar
sobre as águas do mar?

Sem palavras...

domingo, 14 de setembro de 2008

Hoje...



Não imaginava que ele tinha um videoclip tão bonito com Rita Redshoes. A musica é mesmo bonita, é comovente. A originalidade ainda não deixou David Fonseca.

sábado, 13 de setembro de 2008

Há tempo que o tempo explica...

Nesta tarde,
Sobra-me o tempo disperso

Das almas vagabundas.

O equinócio aproxima-se
Com seus abraços demorados

E eu sei os possíveis fados
Que as folhas cantam
Na vertiginosa viagem.

E ele é lógico,
Pois os dias e as noites
Não mais se transformam

E a vida tornar-se-á igual,
Independentemente
Dos trinados felinos
Nos telhados, sob a atenção lunar,
Independentemente
Da força da candeia eterna
A emergir dos montes.

Nesta tarde,
Sobra-me o tempo
Da exactidão e da lucidez
Do momento.

Que é tudo o que invento...

domingo, 7 de setembro de 2008

...

«Só o tempo realmente escreve
e usa como pena o nosso corpo.
Pelas estradas, num cinema,
numa cama essa caligrafia é perdida
e é atroz o descuido dos deuses e dos homens.
O que acaba chegando ao papel
é só o comentário que sobrou
de um poema eternamente disperso.
Modesta nota de pé-de-página,
decalque de um conto,
é o último índice de todos os índices.»

sábado, 2 de agosto de 2008

Arte-Final


Não basta um grande amor
para fazer poemas.
E o amor dos artistas, não se enganem,
não é mais belo
que o amor da gente.

O grande amante é aquele que silente
se aplica a escrever com o corpo
o que seu corpo deseja e sente.

Uma coisa é a letra,
e outra o ato,

– quem toma uma por outra
confunde e mente.

- Affonso de Sant’ana -

Obs - Affonso escreveu. Eu assino por baixo

sábado, 19 de julho de 2008

...

Era uma vez uma ilha, onde moravam os seguintes sentimentos:
A Tristeza, a Vaidade, a Sabedoria, o Amor, entre outros.
Um dia avisaram para os moradores desta ilha que ela ia ser inundada.
Apavorado, o Amor cuidou para que todos os sentimentos se salvassem;
ele então falou: Fujam todos, a ilha vai ser inundada.
Todos correram e pegaram o seu barquinho, para ir a um morro bem alto.
Só o Amor não se apressou.
Quando estava prestes a se afogar, correu para pedir ajuda. Estava passando a Riqueza e Ele disse:
Riqueza, leve-me com você.
Ela respondeu: Não posso, meu barco está cheio de ouro e prata, e você não vai caber. Passou então a Vaidade e Ele pediu:
Oh, Vaidade, leve-me com você...
Não Posso, vai sujar o meu barco.
Logo atrás vinha a Tristeza.
Tristeza, posso ir com você?
Ah, Amor, estou tão triste que prefiro ir sozinha.
Passou a Alegria, mas estava tão eufórica que nem ouviu o Amor chamar.
Desesperado, achando que ia ficar só, o Amor começou a chorar.
Então passou um barquinho, onde estava um velhinho e ele então falou:
Sobe, Amor, que eu te levo.
O Amor ficou radiante de felicidade que até se esqueceu de perguntar o nome do velhinho.
Chegando ao morro alto onde estavam os sentimentos, ele perguntou a Sabedoria quem era o velhinho que o levara até ali.
Ela respondeu:
O Tempo.
O Tempo? Mas porque o Tempo me trouxe aqui?
Porque só o Tempo é capaz de entender um grande Amor....

sábado, 12 de julho de 2008

Ternura dos 40...

Quando penso que passei fronteiras de solidão
tinha para dar e não dei
olhei para trás e pensei não tenho nada na mão
tive o tempo e não senti tive amores e não amei
os amigos que perdi
e as loucuras que vivi são tantas que já nem sei
quem eu era quem sou e quem pareço
se alguém hoje me espera com certeza que mereço
mereço ainda amor tua presença
para enfrentar a vida com a ternura dos 40
Foram tantas as idades da vida que atrás deixei
não quero sentir saudades vou em outras amizades
amar o que não amei
os copos que não bebi, os discos que não toquei
os poemas que não li os filmes que nunca vi
as canções que não cantei
meus amigos importante é um sorriso
para seguir viagem com a coragem que é preciso
não adianta deitar contas à vida
a ternura dos 40 não tem conta nem medida

sábado, 28 de junho de 2008

Hoje é assim...

Eu quero: ser feliz!
Eu tenho:
muito para dar...
Eu amo:
a minha filha acima de tudo!
Eu acho:
que nunca me encontram…
Eu odeio:
a falsidade, traição, e a mentira
Eu sinto saudades:
de viver...
Eu escuto:
quem precisa de falar
Eu cheiro: o mar
Eu arrependo-me: de certas escolhas que fiz...
Eu sinto dor:
quando me desiludem
Eu sinto falta: de não te ter a meu lado
Eu importo-me: com os amigos do coração
Eu não fico:
aborrecida, nem chata
Eu acredito: que o amanha vai ser melhor
Eu danço: tudo :))
Eu canto:
no karaoke…adoro!
Eu choro:
muito… por dentro
Eu falho:
as vezes, sou humana
Eu luto:
por aquilo que mereço
Eu escrevo: para mim, para ti…
Eu ganho:
quando vejo um sorriso
Eu perco-me:
nas lembranças...
Eu nunca: ofendo ninguém
Eu confundo-me:
com a esquerda e com a direita ;)
Eu estou:
sempre a espera que algo aconteça…
Eu sou: eterna sonhadora
Eu fico feliz: quando vejo felicidade ao meu redor
Eu tenho esperança:
de vir a ganhar o euro milhões:))
Eu preciso:
de ti…
Eu deveria: ter mais juízo, HOJE que completo os 40!

quinta-feira, 26 de junho de 2008

...

O nosso mundo
Que importa o mundo e as ilusões defuntas?...
Que importa o mundo seus orgulhos vãos?...
O mundo, Amor?... As nossas bocas juntas!...
Florbela Espanca....






Que importa realmente?
O mundo, os outros...
Ou talvez seja importante pensar no mundo, nos outros...
O Amor que nos une...
só poderá sobreviver
se estivermos em paz com o mundo e com os outros...
Apaga-se, chora..se formos egoístas e ciumentos....
Viver assim o Amor....não vale a pena, porque não é verdadeiro....

terça-feira, 24 de junho de 2008

domingo, 22 de junho de 2008

...

Sou tantas personas em um só corpo, que por vezes me olho no espelho e não me reconheço.
Já chorei de medo de mim mesma, por quantas vezes me acalentei, sufoquei meus gritos, não me permiti chorar, fugi dos que me amavam.
Tenho medo de todos, mas não temo ninguém mais do que temo a mim. Sou imprevisível, laica, absurda.
Sou um corpo que morre todo dia, para acordar bem noutro dia. Mas não me satisfaço com os amanhãs, uma voz quase inexistente grita lá do fundo, anime-se, enquanto muitas vozes fortes e ruidosas riem-se, desdenhando dela.
Por isso nem tentem definir o que sou, se sou triste, se sou desesperada, se sou completa e verdadeiramente lúcida.
Nem eu sei de mim.
Sou a mistura de todas as minhas verdades, com todas as minhas mentiras, vícios e fraquezas.

Amar em Silêncio...

Albert nunca recuperou a ausência física de Marta. Mas guardou os silêncios e reconstruiu-os. Em cada silêncio da sua vida, falava com ela – como fazia dantes, deitado ao seu lado, falando em silêncio, numa nudez absoluta, sem segredos nem medos. Porque nada é mais íntimo e mais indestrutível do que o silêncio partilhado. O silêncio fica porque nunca mente, porque é tão íntimo que não pode ser representado, é tão envolvente que não pode ser rasgado.
Conheço bem Albert e Marta sei o quanto se amam em silêncio e à distância e não sei dizer como acabará a sua história. Ele destrói-se, ela defende-se. Cada um deles faz por desejar ou fingir desejar a salvação própria, mas, acima de tudo, teme a salvação do outro. O silêncio é o que lhes resta, o que os une, uma finíssima película de tempo suspenso, para além da qual não há nada mais do que a escuridão dos abismos. E, por isso, nenhum deles ousa qualquer palavra, qualquer gesto, qualquer coisa que possa romper esse ténue fio que os prende à eternidade.


















É uma história triste e sem fim feliz à vista. Conto-a, porque me parece que ela encerra uma lição útil: ...nunca devemos amar em silêncio, nada é mais perigoso do que dividir com outrem os pensamentos vividos em silêncio.

domingo, 15 de junho de 2008

...

Toda a minha vida
Vivi numa redoma de vidro

Tentei infinitas vezes
Estilhaçar tal prisão
E por alguns anos,
Anos áureos que vivi,
Julguei tê-la quebrado
Por fim

Hoje dou por mim
Novamente a ver a vida
Passar lá fora
Num misto de realidade e ilusão
Que já não distingo
Quando julgo poder tocá-la
Sinto o vidro

Se houve tempos
Em que lutei
Com todas as minhas forças
Eles passaram!

Hoje continuo a ter a mesma sensação
De vida não vivida
De mera espectadora
Aprisionada no olhar
Sem nunca ter conseguido voar

Com os punhos cerrados
Lavados em sangue
Tentei quebrar
Tal prisão
Mas foi em vão

Esgotada e ferida
Finalmente apercebi-me
Que jamais o conseguiria
Desisti!

Se por alguns anos apenas
Julguei estar livre
Mais não foi
Do que uma mera ilusão
Gerada pelo reflexo
Da vida dos outros

Nas paredes planas e frias
Do vidro cristalino
Que sempre me cercou

Já desisti de tocar
Quem passa
De andar
Para a frente e para trás
Enjaulada
De mudar seja o que for


A realidade
É que logo bato numa parede
Fria
E cristalina
Enganadora
Mas real
E todo o meu esforço
É fracasso
E dor

Hoje já não luto
Já não tento entender
Nem sequer pretendo ver
Olhar para fora

Hoje até me tapo de negro
Para que a luz que atravessa o vidro
Não me fira
Nem me traga imagens
Da vida que nunca poderei ter

Hoje sou eu
Quem se fecha sobre si mesma
Querendo já
Que a redoma não fosse vidro
Mas somente pedra

Sem sons, sem vida
Sem nada
Que me pudesse fazer desejar tal vida
Para que esquecesse
Finalmente tudo
O que jamais poderei ser

Hermética, pura
Mas perdida
Recolho-me aos confins
De mim mesma
Devorando-me
Numa alma sem cor

Já não quero nada!
A luz encadeia-me
Os sons atordoam-me
Os movimentos desnorteiam-me

Num recanto
De um quarto escuro
Escorrego meu corpo
Caído numa parede fria

No chão choro
Mas as lágrimas gelam à saída

Atordoada
Numa angústia sem fim
Mutilada por dias iguais
Banais

Já nada espero...


"Estarás sempre aqui.Prefiro viver bebendo da tua ausência,Do que morrer à sede de ti."

domingo, 1 de junho de 2008

...

Após a 2ª Grande Guerra Mundial, as crianças de todo o Mundo enfrentavam grandes dificuldades, a alimentação era deficiente, os cuidados médicos eram escassos. Os pais não tinham dinheiro, viviam com muitas dificuldades, retiravam os filhos da Escola e punham-nos a trabalhar de sol a sol. Mais de metade das crianças Europeias não sabia ler nem escrever.
Em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres, propôs às Nações Unidas que se comemorasse um dia dedicado a todas as crianças do Mundo.

Os Estados Membros das Nações Unidas, - ONU - reconhecendo que as crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social, necessitam de cuidados e atenções especiais, precisam de ser compreendidas, preparadas e educadas de modo a terem possibilidades de usufruir de um futuro condigno e risonho, propuseram o Dia 1 de Junho, como Dia Mundial da Criança.
Nunca é demais lembrar, até porque poucas vezes isso tem sido feito, quais os direitos que assistem especificamente às crianças, e que estão consagrados na Convenção sobre os Direitos da Criança que foi elaborada em 1989 pelas Nações Unidas, que tiveram em consideração, entre outras coisas, o indicado na Declaração dos Direitos da Criança, adoptada em 20 de Novembro de 1959 pela Assembleia Geral desta Organização, que dizia que “a criança, por motivo da sua falta de maturidade física e intelectual, tem necessidade de uma protecção e cuidados especiais…”.

A ONU reconheceu também que “em todos os países do mundo há crianças que vivem em condições particularmente difíceis e a quem importa assegurar uma atenção especial, tendo devidamente em conta a importância das tradições e valores culturais de cada povo para a protecção e o desenvolvimento harmonioso da criança e a importância da cooperação internacional para a melhoria das condições de vida das crianças em todos os países, em particular nos países em desenvolvimento.”

Reconhecer, sim mas agir sem limites!
Quantas Crianças aguardam um pouco de… tudo!

CRIANÇA!

Criança, tu és o conforto
Criança, tu és o amor.
Tu, que tens alegria nos teus olhos
E que aos outros ofereces amizade;
Tu, que caminhas
Sem maus pensamentos
E que amas
Sem rodeios Vem …!
Vem comigo.
Dá-me a tua mão.
Criança,
Tu és o símbolo
Do amor
Da paz
E da liberdade.
Tu és o fruto
Da inocência
E da pureza.
Criança
Ajuda-nos a construir
Um mundo bom,
Como tu
Estrela brilhante!

quarta-feira, 28 de maio de 2008

"Sucesso é passar de falhanço em falhanço sem perder o entusiasmo"

Winston Churchil

terça-feira, 20 de maio de 2008


De cerejas talvez esses momentos
Que tudo fez sentido num instante
Juntas breves nesse carmim flagrante
Como dois impetuosos argumentos

A nova impaciente descoberta
Antes do que não foi dada acontece
Depois da boca o beijo que apetece
E a carne doce o corpo que desperta

Talvez numa precoce primavera
Fogo que ardeu porém ainda em flor
Antecipada véspera de outra espera

Ainda a esperança vã mas insensata
De fazer amor só com amor
Essa dor que nos salva e que nos mata

domingo, 18 de maio de 2008

Momento de reflexão…

Por vezes interrogo-me...!? Será que existe vida em qualquer outra galáxia do nosso universo; estaremos sozinhos neste cantinho 'à beira mar plantado’? É uma pergunta que merece grande reflexão, pelo menos da minha parte. Não me incomoda de modo algum, mas a curiosidade tem destas coisas. Será que existe outro 'Ser como tu' num planeta remoto e longínquo...
Imensas perguntas, para respostas inconclusivas. A verdade, é que vivo intensamente este presente, sim... errado com terceiros, mas tão verdadeiro e único no meu sentimento…

na história de um dia em que nosso olhar se uniu sem existir mais nada nem ninguém em redor. Um dia...


Eu sinto os teus passos
Na escuridão
Pressinto o teu corpo
No ar, aqui
E vou como se o mundo todo fosse

Sugado para dentro de ti
E não houvesse nada a fazer
Senão deixar-me ir...

domingo, 11 de maio de 2008

...

"É sobretudo na solidão que se sente a vantagem de viver com alguém que saiba pensar."

domingo, 4 de maio de 2008

Para ti MÃE...

Luz que me ilumina, em noites sombrias e de escuridão.

- Luz e cor;
- Luz e vida;
- Luz e Sombra;
- Luz e Som;
- À luz de uma vela;
- A luz do sol;
- A luz do momento;
- A luz de uma vida;

quinta-feira, 1 de maio de 2008

...

Simples…
É pelas pequenas atitudes
que conhecemos a essência das pessoas
O resto…
é só para enfeitar
e pouco vale afinal
Por isso é tão fácil entender
porque é que o meu coração
sabe tão bem quem ele quer amar!

quarta-feira, 16 de abril de 2008

The Mask

You see me as rational,
as witty, warm and wise
but underneath the mask I wear
another spirit cries.
You see me as a champion,
you put your faith in me
but underneath the mask I wear
defeat is all I see.
You see me as a survivor
Who’s mastered all the pain
but underneath the mask I wear
I think I am insane.

domingo, 13 de abril de 2008

...

"Eu aprendi com a primavera a me deixar cortar e voltar sempre inteira"
...Retiro de silêncio sem resposta... mas aqui me encontro sempre, mesmo sem palavras... tentando alcançar o que chamam de paz...

sábado, 5 de abril de 2008

...

«Só o tempo realmente escreve
e usa como pena o nosso corpo.
Pelas estradas, num cinema,
numa cama essa caligrafia é perdida
e é atroz o descuido dos deuses e dos homens.
O que acaba chegando ao papel
é só o comentário que sobrou
de um poema eternamente disperso.
Modesta nota de pé-de-página,
decalque de um conto,
é o último índice de todos os índices

quinta-feira, 3 de abril de 2008

O Amor em linguagem de Computador “versão1”


«Percorro com os dedos o teclado


e acaricio nele a tua pele
que imagino morena e macia.
Envolvo com o olhar o monitor aceso


e procuro aí os teus olhos


que suponho escuros e ardentes.
Passeio com o rato no tapete


e sinto os teus lábios no meu corpo,
vagarosamente deslizando


e deixando nele o sabor que imagino em ti.»

sábado, 22 de março de 2008

...

Estar só já não me espanta
A solidão hoje me é contígua.
(Um vaso e a sua sombra).

Companheira espelhada das horas magras,
Sempre muda, reflexiva.
Ouso dizer?

Meio Amiga.

O que temo, justamente, é:
Me acostumar de vez...
Com essa tímida
Rapariga.

sexta-feira, 21 de março de 2008

Reflexão... Vale a pena escutar com atenção até ao fim...



"O que engrandece um ser, não é o tamanho de suas asas, nem suas riquezas...
Mas a vontade de voar, de ser mais, de ousar...
De ser infinito num mundo limitado."

C.S.

quinta-feira, 20 de março de 2008

...

Excelentes momentos doces para vós...
Feliz e Santa Páscoa!



A Páscoa é sempre o primeiro Domingo depois da primeira lua cheia depois do equinócio de Primavera (20 de Março). Esta datação da Páscoa baseia-se no calendário lunar que o povo hebreu usava para identificar a Páscoa judaica, razão pela qual a Páscoa é uma festa móvel no calendário romano.Este ano a Páscoa acontece mais cedo do que qualquer um de nós irá ver alguma vez na sua vida! E só os mais velhos da nossa população viram alguma vez uma Páscoa tão temporã (mais velhos do que 95 anos!)

A próxima vez que a Páscoa vai ser tão cedo como este ano (23 de Março) será no ano 2228 (daqui a 220 anos). A última vez que a Páscoa foi assim cedo foi em 1913.

Na próxima vez que a Páscoa for um dia mais cedo, 22 de Março, será no ano 2285 (daqui a 277 anos). A última vez que foi em 22 de Março foi em 1818.

Por isso, ninguém que esteja vivo hoje, viu ou irá ver uma Páscoa mais cedo do que a deste ano.

segunda-feira, 17 de março de 2008

...

No descompasse de meu coração
Minhas escolhas sufocam toda ilusão.
Com essas correntes não sei lidar
Eu nunca soube como escapar.


Pensamentos demasiado pesados,
Em minhas veias cortam a pulsação
Pelos meus sonhos agora maculados
Nas densas verdades, na contradição.


Tenho insana em mim a latejante
Vontade amarga de gritar
Que de meus olhos vêm derramar
Lágrimas trêmulas e incessantes.


Vejo as marcas de minha indecisão
Cravadas em meus tensos passos errantes
Em mim sombreando a insatisfação
De meus sonhos inquietantes
.

sábado, 15 de março de 2008

Saudade...

"...Saudade é solidão acompanhada,
É quando o amor ainda não foi embora, mas o amado já...
Saudade é amar um passado que ainda não passou,
É recusar um presente que nos machuca,
É não ver o futuro que nos convida...
Saudade é sentir que existe o que não existe mais...
Saudade é o inferno dos que perderam,
É a dor dos que ficaram para trás,
É o gosto de morte na boca dos que continuam...
Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
Aquela que nunca amou.
E esse é o maior dos sofrimentos:
Não ter por quem sentir saudade,
Passar pela vida e não viver.
O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido..."

quarta-feira, 12 de março de 2008

...

Amor proibido.
Mexe com a essência da gente,
Com o libido.
Tudo fica mais excitante.
No encontro escondido
O coração bate forte,
O rosto cora.
Num simples toque de mão.
Não há quem suporte
A emoção da primeira vez,
É emoção de mais.
Mistura de medo e paixão
Arrependimento jamais.
Os sentimentos saltam aos olhos,
As palavras saem entrecortadas.
Parece que o mundo inteiro
Vai descobrir esse pecado.
Mas com tanto amor assim,
Com certeza seremos perdoados.

...

A vida me ensinou...
A dizer adeus às pessoas que amo,
Sem tira-las do meu coração.
Sorrir às pessoas que não gostam de mim,
para mostra-las que sou diferente do que elas pensam. F
azer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade, para que eu possa acreditar que tudo vai mudar.
Calar-me para ouvir,
Aprender com meus erros.
Afinal eu posso ser sempre melhor.
A lutar contra as injustiças,
Sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo.
A ser forte quando os que amo estão com problemas; ser carinhosa com todos que precisam do meu carinho;
Ouvir a todos que só precisam desabafar.
Amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafectos.
Perdoar incondicionalmente, pois já precisei desse perdão.
Amar incondicionalmente, pois também preciso desse amor.
A alegrar a quem precisa.
A pedir perdão.
A sonhar acordada, a acordar para a realidade (sempre que for necessário);
A aproveitar cada instante de felicidade.
A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar (Já fiz demais esse ano)
Me ensinou a ter olhos para "ver e ouvir estrelas"...

embora nem sempre consiga entendê-las.
A ver o encanto do pôr-do-sol.
A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante para a felicidade do meu ser.
A abrir minhas janelas para o amor.
A não temer o futuro; a vida ensinou e esta me ensinando a aproveitar o presente, como um presente que da vida recebi, e usá-lo como um diamante que eu mesma tenha que lapidar, lhe dando forma da maneira que eu escolher.

sábado, 8 de março de 2008

...

Amigas, não vou fazer nada de especial no dia 8 de Março, o chamado...
Dia Internacional da Mulher. As mulheres são mulheres todos os dias.

As mulheres não precisam de um dia específico para lhes lembrar que o são.
Elas não escolhem o dia 8 de Março para lutar pelos direitos que lhes pertencem, elas travam a luta durante todos os dias e em todas as áreas. Toda a gente sabe que esse esforço tem de ser maior principalmente na área da profissão, onde ainda se nota desigualdade de direitos. Esses direitos são das mulheres por legitimidade e a luta pela sua conquista tem de ser ininterrupta, não acredito que este dia vá modificar com relevância alguma coisa.
Pensando bem, se não houvesse desigualdade porque existiria este dia? haveria lógica em lembra-lo?
Sim, sei porque escolheram esta data para comemorar o dia da mulher. Respeito essa luta de há 150 anos. Mas isso não me faz mudar de ideia. A vida é uma luta constante, seja pelos direitos da mulher, seja por outros direitos que qualquer pessoa, seja mulher ou homem, veria concretizados, caso não houvesse inércia, desprezo, ganância e um fingir de que se irá resolver tudo assim que as situações o permitirem.
Também acho sempre ridículo no dia da mulher as usuais reportagens para os jornais da noite em que mulheres se preparam efusivamente para a apresentação do culminar da noite, o esperado strip masculino. Se apreciam a sensualidade da arte do despir masculino não precisam esperar pelo dia 8 de Março, é que assim, já bebidas e histéricas acabam por não conseguir apreciar nada. E depois, já pensaram que essa arte pode ser testemunhada e até sem pagar nada em qualquer dia do ano?
Irei à janela como o faço todas as noites antes de me deitar e olharei as estrelas serenamente na expectativa do dia de amanhã, tenho consciência daquilo a que chamam a nossa fragilidade mas nunca me acharei fraca, a essa fragilidade dar-lhe-ei o sinónimo de sensibilidade. Não preciso medir forças. A minha força alentará sempre a exigência daquilo que sei que me deverá caber por direito. Principalmente respeito, amor, carinho tal como também qualquer pessoa precisa independentemente do sexo. Assim sim, seríamos iguais. Gosto muito de ser mulher.
Mas o meu dia não é dia 8 de Março, são todos os dias do tempo em que estarei por «cá».
*
Amigas! Abraço de ternura neste dia de homenagem á beleza... nós!!!

sexta-feira, 7 de março de 2008

...

Aconteceu um dia… e tomou conta do meu coração.
Não poderia imaginar o quanto te iria amar...
Tua presença no silêncio que só eu podia escutar e perceber

Com todo o teu carinho, o meu foi despertando
Conseguiu me conquistar, resgatando uma alegria que eu já não sentia.
Confundiu minha cabeça e meu coração.
E agora? O que fazer se não te posso amar?!
Te vejo apenas em meus pensamentos...
Em lindos sonhos que me fazem flutuar,
naquela lágrima que teima em deslizar... sentida com a tua ausencia.
Mas são apenas sonhos, difíceis de se concretizar.
Sonhos que ficarão para sempre na lembrança do encontro do nosso olhar.
Um olhar meigo e sedutor, um olhar que marca...
As vezes penso, como posso dois corações em um
só coração guardar?
A vida é mesmo surpreendente, nunca sabemos o que nos pode
esperar á distância de duas vidas,
Tão perto de se tornar uma só… tão longe de alcançar
Mas devemos seguir nossos caminhos e nossa felicidade
buscar, conquistar nossos sonhos e quem sabe um
dia nos reencontrar?!
nunca esqueças lindo ser…
Teu amor faz minha alma se eternizar.

quinta-feira, 6 de março de 2008

...

Meu Amor...
...não desejar nada.
Não esperar as palavras não ditas e que ferem pela ausência.
Não sonhar madrugadas que cantam, nem sorrisos no horizonte.
Não perseguir miragens em crepúsculos alucinados.
Ser.
Aqui e agora.
Sem mais.

segunda-feira, 3 de março de 2008

Minha vida...

Fecho os olhos em tua busca
Acompanho o pulsar em meu peito
E percebo o som de teus passos

Cada passo um pulsar
No pulsar um desejo

Suave e leve
tu meu ser...
Um amor,
um calor e um beijo

Os meus olhos se abrem tranquilos
Sinto cheiro de flores tão raras
E as cores, já têm novo brilho

Cada brilho, um olhar
Um olhar que me ampara

Suave e leve
Tu
Uma luz
de beleza tão clara!

E a lágrima, escorre brilhando
E aflora a certeza contida
Coração tão entregue, sonhando

Cada sonho um cantar
cada canto uma nota que vibra

Suave e leve
Tu meu Sol...
Minha paz
Minha alma e minha vida.

PARABÉNS Princesa! Sentido da minha caminhada...

sábado, 1 de março de 2008

...

Disseram-me hoje, assim, ao ver-me triste:
“Parece Sexta-Feira de Paixão.
Sempre a cismar, cismar de olhos no chão,
Sempre a pensar na dor que não existe…

O que é que tem?! Tão nova e sempre triste!
Faça por estar contente! Pois então?!…”
Quando se sofre, o que se diz é vão…
Meu coração, tudo, calado, ouviste…

Os meus males ninguém mos adivinha…
A minha Dor não fala, anda sozinha…
Dissesse ela o que sente! Ai quem me dera!…

Os males de Anto toda a gente os sabe!
Os meus …ninguém… A minha Dor não cabe
Em cem milhões de versos que eu fizera!…

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

Não Quero...

Não quero alguém que morra de amor por mim... Só preciso de alguém que
viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo, quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.

Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim... Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante para mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível... E que esse momento será inesquecível... Só quero que meu sentimento seja valorizado.

Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre...E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.

Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém... e poder ter a absoluta certeza
de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos, que faço falta quando não estou por perto.

Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras, alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho...

Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente importa, que é meu sentimento... e não brinque com ele.

E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca cresça, para que eu seja sempre eu mesmo...
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe... Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.

Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia, e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos, talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas...
Que a esperança nunca me pareça um "não" que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como "sim".

Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder dizer a alguém o quanto é especial e importante para mim, sem ter de me preocupar com terceiros... Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.

Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão... que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades a às pessoas, que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim... e que valeu a pena!!!


Sobre o autor:
Mário de Miranda Quintana, gaúcho da cidade de Alegrete, é o poeta das coisas simples. Despreocupado em relação à crítica, faz poesia porque "sente necessidade", segundo suas próprias palavras.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

...

Eu queria ser o mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o Sol, a luz intensa,
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão e até da morte!

Mas o Mar também chora de tristeza...
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos Céus, os braços, como um crente!

E o Sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as Pedras...essas...pisa-as toda gente!...

domingo, 24 de fevereiro de 2008

...



... Num tempo passado... ainda penso em mim...em ti ...

Quanto desejo...

O desejo é um instinto à beira da consciência. Já não é a pulsão animal que desencadeia a acção sem filtro racional. Desejar implica ter já claro o objecto do desejo. Sei o que desejo, mesmo se não racionalizo ainda sobre as razões que me fazem desejar. É uma meta que se me impõe; uma promessa de saciedade. Mas não é, ainda, um acto plenamente consciente.
A racionalização consciente sobre o objecto do desejo e a planificação racional da acção com vista à consumação pode, até, anular ou destruir o próprio desejo. E, de facto, muitas vezes o faz. Não consumamos a maior parte dos nossos desejos. Por muitas e boas razões.
O ciúme é o desejo interrompido; a percepção de "roubo" do objecto do desejo. E, assim, é ainda, também, uma manifestação de irracionalidade pré-consciente. Porque não é, em si mesmo, consequência da racionalização sobre a razoabilidade ou não do acto consumatório, mas a percepção de arrebatamento externo do objecto.
Por outro lado, desejo e ciúme são miragens simétricas de propriedade: desejo "ter" e sinto ciúme por perceber a perda do que "desejo ter". Neste sentido, estamos, portanto, na superfície do ser. Porque toda a propriedade é externa. Não sou o que tenho, nem o que tenho me define.
Tudo isto quer também dizer que quanto mais nos adentramos no que somos, menos o desejo nos invade e comanda. E menos o ciúme nos frustra.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

...



Para ti Amiga querida Blue Velvet esta lembrança que sei que adoras! por mais um ano de tantos na tua caminhada futura... nas palavras imortais de Florbela Espanca...envolvidas nesta melodia linda!

PARABÉNS!

"Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer. "

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Jack Johnson's...



Enjoy!

I've got an angel
She doesn't wear any wings
She wears a heart that could melt my own
She wears a smile that could make me want to sing
She gives me presents
With her presence alone
She gives me everything I could wish for
She gives me kisses on the lips just for coming home

She can make angels
I've seen it with my own eyes
You got to be careful when you you've got good love
Cause them angels will just keep on multiplying

You're so busy changing the world
Just one smile can change all of mine
We share the same soul
Oh oh oh oh ohhh
We Share the same soul
Oh oh oh oh ohhh
We Share the same soul
Oh oh oh oh ohhh
Oh oh oh oh ohhh
mm mm mm mmmm

...Espero ir ouvi-lo ao Vivo! Junho 08...;)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

...

"Chove.
E a trovoada
É um batuque incessante,
uma estranha batucada.

Os raios são setas de fogo
que misteriosamente, em tom de guerra
,
espíritos do mal lançam da altura
para incendiar a Terra.

O vento
Ora violento, ora brando,
o vento é o cazumbi dos cazumbis
-o Deus do mar, do rio e da floresta -
que vai cantando e dançando,
em tragicómica festa,
o seu coro de mil vozes,
os seus bailados febris.

As nuvens negras são virgens tontas,
quais almas do outro mundo,
errando como sonâmbulas
pelo céu negro e profundo...
é a chuva, constante e forte,
é o pranto (parece eterno)
dos deuses negros que a Morte
sacrificou no Inferno."

Geraldo Bessa Victor 1917(Benguela)