terça-feira, 9 de outubro de 2007

Sais pelo sonho como de um casulo e voas...

Sais pelo sonho como de um casulo e voas.
Com tal leveza podes percorrer o mapa
e ir e vir ao acaso, ar e nome:
como as borboletas.

Não és tu, mas a tua memória com asas.

E abrem-se os palácios,
e percorres os tesouros guardados,
e és sorriso e silêncio
e já nem precisas mais de asas.

Na noite encontras o dia, claro e durável.
Voas sobre séculos e horóscopos.
Ouves dizer que te amam
como ninguém jamais o poderia confessar.
Não tens idade nem tribo,
nem rosto nem profissão.
Podes fazer o que quiseres com palavras, harpas, almas.

E quando voltas ao teu casulo
já não tens medo nenhum da morte.
E em teu pensamento há néctar e pólen.

3 comentários:

Fernanda e Poemas disse...

Xana minha querida, está linda a tua foto, o poema é de uma beleza sem par.
Parabéns.
Adorei!!!!!!!!Lindo!!!!!!!!!!!!
Muitos beijinhos,
Fernandinha

isabel disse...

na noite encontro o dia. sim.

beijo xana

Teresa Durães disse...

medo da morte não tenho de certeza :D