sábado, 21 de julho de 2007


Até o amor nos ensinar
dançaremos como quando dança
o mar
água que por dançar se deita
sem transparência
até lavarmos nossa cara
dentro da imprevista onda
derradeira
do mar a água mais clara:
a mais funda.

Até que a paixão nos instrua
dançaremos como se dançasse
a lua
que enquanto gira sempre oculta
a mesma face
até mudarmos nossa roupa
para vestirmos a máscara
absoluta
da lua a face mais clara:
a outra.

2 comentários:

A.S. disse...

Disseram-me os ventos que as marés não voltam esta noite. Da Lua, só vejo metade, e temo que demores a chegar... apesar de tudo, continuarei á espera das marés e da nudez integral da Lua...


Um terno beijo!

Teresa Duraes disse...

A Lua, como a deusa mãe, tem as três faces. E ciclicamente retoma uma e outra e outra.