quinta-feira, 19 de julho de 2007

Reflexões Intemporais...

..."Não amaremos talvez insuficientemente a vida? Já notou que só a morte desperta os nossos sentimentos? Como amamos os amigos que acabam de deixar-nos, não acha?!
Como admiramos os nossos mestres que já não falam, com a boca cheia de terra! A homenagem surge, então, muito naturalmente, essa mesma homenagem que talvez eles tivessem esperado de nós, durante a vida inteira. Mas sabe porque somos sempre mais justos e mais generosos para com os mortos? A razão é simples! Para com eles já não há deveres. Deixam-nos livres, podemos dispôr do nosso tempo, arrumar a homenagem entre o copo d'água e uma gentil amante, nas horas vagas, em suma. Se algo nos impusessem, seria a memória, e nós temos a memória curta. Não, é o morto de fresco que nós amamos nos nossos amigos, o morto doloroso, a nossa emoção, enfim, nós próprios."

3 comentários:

A.S. disse...

Voltei! Vim deliciar-me com as tuas palavras e deixar-te um beijo...

Xana disse...

A.S Poeta lindo... Que bom estares de volta, fiquei feliz por me ires visitar e te lembrares de mim. Obrigada. Hoje e sempre...espero que tenhas um belo amanhecer, e que, amanhecendo, tu despertes sorrindo... E que, sorrindo, tu sigas o teu caminho. Que em tua jornada de palavras, sigas contagiando todos a tua volta... Que teu anjo da guarda sempre te acompanhe, e faça tua luz ser a mais brilhante... Essa luz que tantas vezes já iluminou o meu astral...

Beijo meu

Teresa Duraes disse...

...e eu acrescentaria: e dele temos medo ao mesmo tempo

beijo